Aquecimento global e a saúde

19 07 2009

Como o aquecimento global interfere na saúde das pessoas

O alerta começou desde antes, mas o aquecimento global ficou em evidência quando foi preciso tomar alguma ação

O aquecimento global foi um assunto muito discutido nas últimas décadas através da mídia e pesquisas científicas a respeito do descongelamento das camadas polares do Ártico e o buraco na camada de ozônio, responsável pela radiação na superfície terrestre. A questão é que a causa do aumento da temperatura e suas conseqüências estão agindo contra o próprio homem.
Segundo Luana Neves Lima, estudante de Ciências Biológicas da Universidade Paulista de Campinas, “a emissão de poluentes na atmosfera causa inúmeros problemas para a saúde dos homens e do planeta, uma delas é a mudança climática. A Terra já está 0,7°C mais quente.” Algumas das conseqüências do aquecimento global para a saúde das pessoas é que alguns locais ficarão mais quentes ou frios que outros, haverá áreas de doenças tropicais como a malária e também influencia no clima para a agricultura no comércio e subsistência do homem.
Os gases emitidos pelas indústrias aumentam gradativamente o buraco na camada de ozônio, a qual tem importância fundamental para a vida no planeta. “É ela que absorve a radiação UV-B do Sol, não permitindo que esta radiação, prejudicial à vida, chegue até a superfície da Terra. A radiação UV-B é responsável por inúmeras seqüelas nos seres vivos. O câncer de pele é a doença mais citada, mas tem efeitos indesejáveis também na visão, que pode surgir a catarata, e tem influência negativa no DNA das células, diminuindo as defesas naturais do organismo”, afirma Luana.
Um dos principais problemas que o homem pode sofrer com essa alteração no clima são os problemas respiratórios. “O material particulado é o produto da combustão, quando queima-se qualquer combustível fóssil, uma parte vira gás e a outra, uma espécie de poeira fina, que consegue chegar dentro do pulmão, diferente da poeira grossa que nosso sistema respiratório consegue expelir. Outro poluente preocupante é o ozônio que causa uma série de efeitos irritativos no sistema respiratório”, diz Luana. Os agentes poluentes do ar são o gás carbônico, o monóxido de carbono e o ozônio. Desta forma, se aumentar a concentração de CO2 na atmosfera, acentua também o efeito estufa, que vai impactar na saúde de médio a longo prazo.
Para melhorar os problemas para a saúde humana e diminuição do aquecimento global, países estão adotando formas de utilização de fontes de energia renováveis como a solar, eólica e hidrelétrica. Outra iniciativa global foi o Protocolo de Kyoto, iniciada em Toronto, no Canadá, que visa a redução da emissão de gases poluentes que promovem o aumento do efeito estufa. Constitui-se de um acordo mais rígido entre os países para reduzirem, desta forma, o efeito estufa que é a causa do aquecimento global de acordo com pesquisas. O acordo visa também a reformulação dos setores de energia e transporte, promover programas de proteção de florestas e matas que utilizam o carbono e promover o uso de fontes energéticas renováveis. Desta forma, estima-se a redução de 5% na emissão de gases poluidores até 2012.
“Em menor escala, a população pode utilizar mais o transporte coletivo que pode ajudar a melhorar a qualidade do ar e contribuir para a saúde das pessoas, emitindo menos dióxido de carbono no ambiente”, afirma Luana.

Matéria por Daniele Rodrigues, escrita no mês de março de 2009.